Com a campanha "Bee or not to be", pesquisador da USP Ribeirão alerta: Sem abelhas, sem alimentos!

Reduzir o uso de pesticidas tóxicos que causam o desaparecimento de abelhas em larga escala é um dos objetivos da campanha coordenada pelo professor do Departamento de Biologia da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto (FFCLRP) da USP, Lionel Segui Gonçalves. Atualmente aposentado da USP, o professor preside o Centro Tecnológico de Apicultura e Meliponicultura do Rio Grande do Norte (CETAPIS).  

Lionel criou e coordena o movimento Bee or not to be? que busca assinaturas on-line para a Petição pela Proteção das Abelhas, a qual será entregue às lideranças governamentais

A iniciativa, que já conta com mais de 3.300 assinaturas, baseia-se em estudos que apontam associação entre redução das populações de abelhas e uso de agrotóxicos. Segundo Lionel, este desaparecimento traz como principal consequência a falta de alimentos. “Aproximadamente 70% dos alimentos que consumimos dependem da polinização das abelhas. Elas também polinizam as áreas verdes. Assim, se elas acabarem, podemos sucumbir por falta de oxigênio”.

O problema, já considerado mundial, atinge quatro estados brasileiros (Piauí, Rio Grande do Sul, Minas Gerais e São Paulo). Entre as alternativas para proteção de abelhas está a substituição de agrotóxicos e pesticidas pelo controle biológico. “É preciso também aumentar as áreas verdes, proteger o meio ambiente, cultivando plantas de interesse das abelhas para que elas possam proliferar”, defende Lionel.


A campanha


Daniel Maluzá, publicitário e coordenador da campanha 
Bee or not to be? (em português, literalmente "abelhas ou não existir", um paralelo ao slogan "sem abelhas, sem alimento"), explica que o objetivo é conscientizar a população para a importância destes insetos, responsáveis pela polinização.

Como forma de chamar a atenção das autoridades, foi criada uma petição on-line em favor das abelhas. Segundo ele, “a pessoa só precisa disponibilizar o nome e o e-mail”. Paralelamente, estão desenvolvendo amplo trabalho de conscientização em escolas, esclarecendo, desde cedo, crianças e adolescentes sobre a importância destes insetos.

A divulgação é feita por meio de palestras, cartazes, folders e diversos materiais ilustrativos. O material foi produzido gratuitamente por uma agência de publicidade de Ribeirão Preto, cujo dono é filho do professor Lionel.


A origem do problema


Os primeiros relatos de desaparecimento de abelhas em larga escala surgiram em 1995, nos Estados Unidos da América (EUA). Entretanto, apenas em 2007 o problema foi discutido oficialmente, durante Congresso Mundial de Apicultura.

Recentemente, o Departamento de Agricultura dos EUA divulgou a morte de um terço das abelhas durante o inverno de 2012/2013. O levantamento também aponta que, nos últimos seis anos, o número de colônias de abelhas caiu 30,5%.

Estudos concluíram que as abelhas apresentam Colony Collapse Disorder (CCD)também conhecida como Síndrome do Desaparecimento de Abelhas. O mal afeta o sistema nervoso desses insetos, com prejuízo da memória e senso de direção. Ao saírem em busca de néctar e pólen, elas se perdem e não conseguem retornar para as colmeias.

A síndrome pode ser identificada quando o número de integrantes das colmeias é reduzido ou até mesmo extinto. Nesses casos, as abelhas perdidas deixam mel, crias e até mesmo a rainha.

Para os pesquisadores, que ainda trabalham com hipóteses, o CCD seria caudado principalmente pelo uso de pesticidas do tipo neonicotinoides. Em abril de 2013, notando a interferência dessa substância na vida das abelhas, a União Europeia suspendeu seu uso por dois anos.


Como participar


O manifesto pela proteção das abelhas está integralmente disponível no site 
Sem Abelhas, Sem Alimento. Lá também podem ser acessados vídeos, explicações sobre a importância desse inseto para a vida humana e ficha para assinatura da petição.

O coordenador do movimento, professor Lionel, pede a ajuda da população e faz um alerta: “se perdermos as abelhas seremos os primeiros prejudicados”. A campanha cita Albert Einstein: “Se as abelhas desaparecerem da face da Terra, a humanidade terá apenas mais quatro anos de existência. Sem abelhas, não há polinização, não há reprodução da flora. Sem flora não há animais, e sem animais não haverá raça humana”.

Mais informações: e-mail: lsgoncal@ffclrp.usp.br


Veja mais
  1. Ribeirão Country Fest confirma primeiras grandes atrações e inicia venda de ingressos Ribeirão Country Fest confirma primeiras grandes atrações e inicia venda de ingressos
  2. Projeto teatral a partir da obra escrita de Thérèse de Lisieux, em Ribeirão Preto Projeto teatral a partir da obra escrita de Thérèse de Lisieux, em Ribeirão Preto
  3. Mostra de curtas de animação - AnimaBru - tem inscrições abertas até 30 de setembro Mostra de curtas de animação - AnimaBru - tem inscrições abertas até 30 de setembro
  4. FENASUCRO 2014 acontece entre os dias 26 e 29 de agosto em Sertãozinho FENASUCRO 2014 acontece entre os dias 26 e 29 de agosto em Sertãozinho
  5. Expedição "Brasil Selvagem" é tema de mostra inédita no RibeirãoShopping Expedição "Brasil Selvagem" é tema de mostra inédita no RibeirãoShopping
  6. Exposição "Relíquias do Mundo" ficará no Shopping Iguatemi Ribeirão até o dia 14 de setembro Exposição "Relíquias do Mundo" ficará no Shopping Iguatemi Ribeirão até o dia 14 de setembro
  7. Beto Carrero World lança promoção para os pais no mês de agosto Beto Carrero World lança promoção para os pais no mês de agosto
  8. Projeto Kabuki oferece novas vagas para o 2º semestre de 2014 Projeto Kabuki oferece novas vagas para o 2º semestre de 2014
  9. Festival internacional reúne fãs de Blues, Soul e Rock. Sábado (2) no Villa Blues, em Botucatu Festival internacional reúne fãs de Blues, Soul e Rock. Sábado (2) no Villa Blues, em Botucatu
  10. Espetáculo “Estória de brinquedo - Incrível mundo de Toy Story" terá apresentação no próximo final de semana, no Teatro Municipal de Ribeirão Preto Espetáculo “Estória de brinquedo - Incrível mundo de Toy Story" terá apresentação no próximo final de semana, no Teatro Municipal de Ribeirão Preto

Newsletter

Receba novidades em seu e-mail